<<alfateta     TETA 1     proks>>

TRANSFORMAÇÃO (OU TEORIA) DO ESPAÇO-TEMPO ABSOLUTOS

TRANSFORMAZIE (OW TEORIE) DU ABSOLUTA SPAZE-TEMPE

TRANSFORMATION (OR THEORY) OF THE ABSOLUTE SPACE-TIME

A TRANSFORMACAO TETA EM COORDENADAS CILINDRICAS

LA TRANSFORMAZIE TETA LAW CILINDRAS KOORDINATES

THE TETA TRANSFORMATION BY CYLINDRICAL COORDINATES

Nosso estudo sobre a Transformação TETA entre os referenciais em repouso absoluto e em movimento absoluto sugere haver "simetria cilíndrica" em torno do eixo a (ou x), tal que seria vantajoso utilizar "Coordenadas Cilíndricas" (ao menos em alguns casos) ao invés das "Coordenadas Retangulares" até agora utilizadas exclusivamente.

Logo vejamos a figura abaixo.

wpe2.jpg (15894 bytes)

Na figura, o plano (b’, g’) é paralelo ao plano (b, g), e o plano (y’, z’) é paralelo ao plano (y, z).

Localizamos um corpo MS no referencial S pelas coordenadas cilíndricas ( a , r , i ). A coordenada a é a mesma do velho sistema retangular. A coordenada r é a coordenada "radial" sobre o plano (b’, g’), dada pelo vetor que parte do eixo a até a posição do corpo MS . E i é a coordenada que mede o ângulo entre o vetor de coordenada r e o eixo vertical b do velho sistema retangular.

No referencial S há um corpo MS localizado pelas coordenadas cilíndricas ( x , s , j ). A coordenada x é a mesma do velho sistema retangular. A coordenada s é a coordenada "radial" sobre o plano (y’, z’), dada pelo vetor que parte do eixo x até a posição do corpo MS . E j é a coordenada que mede o ângulo entre o vetor de coordenada s e o eixo vertical y do velho sistema retangular.

Se os corpos MS e MS são um mesmo corpo M visto por ambos os referenciais S e S, logo nós temos, evidentemente, que as coordenadas i e j desse corpo M, em S e S (respectivamente), são iguais entre si, i.e. i = j sempre (para localizar um mesmo corpo M). Não esquecer que os eixos a , b , g , permanecem sempre paralelos aos eixos x , y , z , visto que ainda consideramos que o referencial S não gira; que ele apenas translaciona com velocidade v constante. Assim, os vetores r e s , com os ângulos i e j , apontam para uma mesma direção do espaço absoluto.

Para reescrever a Transformação TETA segundo esse sistema de coordenadas cilíndricas, podemos repetir as mesmas equações para a direção a , e reescrever as equações para a direção b trocando nelas a coordenada retangular b pela coordenada cilíndrica r , e trocando a coordenada retangular y pela coordenada cilíndrica s .

A Relação Temporal entre os referenciais absoluto S e realmente móvel S é :

( para  v < c )

( para  v < c )

( para  v > c )

( para  v > c )

onde nós temos (acima) que :

s = tempo do referencial absoluto S ;    t = tempo do referencial em movimento real S ;

v = velocidade absoluta do referencial em movimento real S  ;

c = 299.792.458 m/s = velocidade absoluta da luz .

A respeito da rotação do corpo M em torno do eixo x, isto é, sobre o plano (b’, g’) ou (y’ , z’), nós temos :

Lembremos que :  i = j 
( isto é, as coordenadas angulares do corpo M nos referenciais
absoluto S e realmente móvel S , coincidem entre si )

A respeito das componentes de velocidades possíveis do corpo M nos referenciais S e S , definimos :

velocidade angular do corpo no referencial absoluto S

velocidade axial do corpo, na direção a do referencial absoluto S

velocidade radial do corpo, na direção r do referencial absoluto S

velocidade angular do corpo no referencial móvel S

velocidade axial do corpo, na direção x do referencial móvel S

velocidade radial do corpo, na direção s  do referencial móvel S

Com a notação acima, A TRANSFORMAÇÃO DE VELOCIDADES TETA torna-se :

Do referencial móvel S ao referencial absoluto S , ao longo da direção angular :

( para  v < c )

( para  v > c )

Do referencial móvel S ao referencial absoluto S , ao longo da direção axial : Do referencial móvel S ao referencial absoluto S , ao longo da direção radial :

( para  v < c , ux < c )

( para  v < c , ux < c )

( para  v > c , ux < c )

( para  v > c , ux < c )

( para  v < c , ux > c )

( para  v < c , ux > c )

( para  v > c , ux > c )

( para  v > c , ux > c )

No conjunto de fórmulas acima, na direção radial, não há restrição contra a variável  us .
Logo, nas quatro fórmulas acima entre  us ur , nós agora aceitamos que  upode variar livremente,
desde zero ao infinito.

 

Fórmula da conduta do Relógio Teta em movimento absoluto :
Formule du kondute do Teta-Horloje en absoluta movade :
Formula of the behaviour of the Teta-Clock in absolute motion :

( para  v < c )

( para  v < c )

( para  v > c )

( para  v > c )

t = Tempo do Relógio TETA em movimento absoluto com velocidade v / Tempe du TETA-Horloje en absoluta movade kun velozite v / Time of the TETA-Clock in absolute motion with speed v .

s = Tempo do Relógio TETA em repouso absoluto / Tempe du TETA-Horloje en absoluta ripoze / Time of the TETA-Clock absolutely at rest .

c = 299.792.458 m/s = velocidade absoluta da luz / absoluta lumo velozite / absolute speed of light .

wpe3.jpg (13450 bytes)

OBSERVAÇÃO

Na convenção do gráfico acima, a velocidade da luz vale "10 unidades", e s corresponde a um intervalo de tempo absoluto e constante no valor de "10 unidades".

Fórmula da conduta da massa absolutista de um corpo em movimento absoluto :
Formule du kondute du absolutista mase du wo korpe en absoluta movade :
Formula of the behaviour of the absolutist mass of a body in absolute motion :

( para  v < c )

( para  v > c )

m = Massa Absolutista de um corpo em movimento absoluto com velocidade v / Absolutista Mase du wo korpe en absoluta movade kun velozite v / Absolutist Mass of a body in absolute motion with speed v .

mo = Massa de Repouso do corpo / Ripoza Mase du korpe / Rest Mass of the body .

c = 299.792.458 m/s = velocidade absoluta da luz / absoluta lumo velozite / absolute speed of light .

wpe4.jpg (14015 bytes)

Na convenção do gráfico acima, para a função de massa, a velocidade da luz é de "10 unidades", e mo corresponde a uma massa de repouso constante no valor de "1 unidade".

 

Fórmula da Energia Infraluminal :
Formule du Infralumeza Energie :
Formula of the Infraluminal Energy :
Fórmula da Energia Hiperluminal :
Formule du Hiperlumeza Energie :
Formula of the Hyperluminal Energy :

( para  v < c )

( para  v > c )

Ef = Energia Absolutista de um corpo em movimento absoluto com velocidade infraluminal v ( v < c ) / Absolutista Energie du wo korpe en absoluta movade kun infralumeza velozite v ( v < c ) / Absolutist Energy of a body in absolute motion with infraluminal speed v ( v < c ) .

Eh = Energia Absolutista de um corpo em movimento absoluto com velocidade hiperluminal v ( v > c ) / Absolutista Energie du wo korpe en absoluta movade kun hiperlumeza velozite v ( v > c ) / Absolutist Energy of a body in absolute motion with hyperluminal speed v ( v > c ) .

m = Massa Absolutista de um corpo em movimento absoluto com velocidade v / Absolutista Mase du wo korpe en absoluta movade kun velozite v / Absolutist Mass of a body in absolute motion with speed v .

mo = Massa de Repouso do corpo / Ripoza Mase du korpe / Rest Mass of the body .

c = 299.792.458 m/s = velocidade absoluta da luz / absoluta lumo velozite / absolute speed of light .

wpe5.jpg (19229 bytes)

Na convenção do gráfico acima, para a função de energia, a velocidade da luz é de "10 unidades", e  mo c2 corresponde  a uma energia de repouso constante no valor de "1 unidade".

Na figura acima, note que há, na parte hiperluminal, um mínimo de energia (Emin = 1,681 m0c2 ) no ponto de velocidade   do corpo em movimento absoluto.

 

<<alfateta     TETA 1     proks>>